Investimento em e-Learning para o ano de 2008



1. Sumário Executivo

A utilização do e-Learning, freqüente nos modelos de aprendizagem de muitas organizações em países desenvolvidos, se consolida como realidade operacional em grandes e médias empresas do Brasil. No país, 47% das organizações já definiram um orçamento para o treinamento em formato e-Learning para 2008.

Essa foi a principal constatação desta pesquisa, que também identificou o quanto cada área do e-Learning será considerada ao se investir nesse formato de treinamento.

O Brasil, apesar do crescimento tecnológico e da mudança de mentalidade a respeito das novas tecnologias, ainda possui alguns fatores convergentes para um investimento maciço das organizações que aqui atuam.


2. Introdução

A pesquisa nasce como conseqüência do interesse do Portal e-Learning Brasil em antecipar a identificação dos dados de 2008 para informar a realidade da área para sua comunidade. Para que o levantamento dos dados fosse realizado, o Portal identificou:

  • As etapas de um projeto de e-Learning – tecnologia e infra-estrutura, conteúdo e serviços (consultoria, integração de sistemas e capacitação de equipe) – e quanto será investido em cada uma;
  • O valor a ser investido no treinamento da organização e qual porcentagem será direcionada para o e-Learning.


3. Objetivo

Em virtude dos desafios estratégicos das organizações brasileiras, o Portal e-Learning Brasil se propôs a realizar essa pesquisa com o objetivo de identificar o orçamento previsto para o e-Learning nas organizações em 2008.


4. Metodologia

A metodologia utilizada garantiu o enriquecimento dos resultados. O levantamento quantitativo foi realizado em dezembro de 2007, por meio do Portal e-Learning Brasil (www.elearningbrasil.com.br), e abordou oito tópicos:

  • Definição do orçamento para e-Learning;
  • Ano do início de investimento em e-Leaning;
  • Valor do investimento;
  • Parcela do valor total a ser investido em tecnologia e infra-estrutura;
  • Parcela do valor total a ser investido em conteúdo;
  • Parcela do valor total a ser investido em serviços (consultoria, integração de sistemas, capacitação de equipe, etc.);
  • Porcentagem à qual corresponde o e-Learning do valor total destinado ao treinamento/educação;
  • Mês em que a organização pretende investir em e-Learning.

5. Características da amostra

A amostra analisada possui uma distribuição variada de empresas pertencentes às cinco regiões brasileiras: Sudeste, Centro-Oeste, Norte, Nordeste e Sul. A tendência é ser mais numerosa no Sudeste e no Sul, pelo grande investimento tecnológico e por estes serem os maiores pólos de desenvolvimento do Brasil.

O conjunto de organizações que participaram do estudo representa o setor de atuação delas, com ênfase para as que atuam em: Educação (34%), Tecnologia (11%), e-Learning (10%) e Governo (7%).

A maioria das organizações (37%) possui um quadro de funcionários com menos de 100 integrantes, 19% possuem de 101 a 500 colaboradores e 18%, de 501 a 2.500. Confira o gráfico detalhado:

Outros tópicos analisados pela amostra:

a) O tipo de organização em que o pesquisado trabalha.

b) Seu papel na organização.


c) Em que departamento atua.


6. Resultados

Nos seguintes tópicos foram analisadas as diferentes variáveis compostas de um ou mais indicadores dos levantamentos realizados.


6.1. Ano do início de investimento em e-Learning

O e-Learning vem crescendo anualmente no Brasil e no mundo, porém a maioria das organizações que responderam à pesquisa afirma que começará a investir nessa ferramenta a partir de 2008. Veja abaixo:


6.2. Valor do investimento

Perguntamos qual seria o montante investido em e-Learning em 2008, e 46% das organizações responderam que os investimentos serão abaixo de R$ 100 mil reais, 19% investirão entre R$ 500 mil e R$ 1 milhão e 11% investirão mais de R$ 1 milhão.


6.3. Parcela do valor total a ser investido em tecnologia e infra-estrutura

Quando perguntamos qual percentual do orçamento seria dedicado para aquisição de tecnologia e infra-estrutura, encontramos um destaque (36%) para as empresas que empregarão até 25% do valor total. Trinta e um por cento dos entrevistados planejam investir entre 26% e 51%. Nos anos anteriores, a parcela de investimento para infra-estrutura era maior, o que indica que as empresas estão cada vez mais preparadas tecnologicamente para o e-Learning.


6.4. Parcela do valor total a ser investido em conteúdo

Abordamos também o quanto será investido em conteúdo (cursos) para o e-Learning, e o resultado foi que 37% das empresas investirão nesse tópico em até 25% de seus orçamentos, enquanto outros 33% investirão de 26% a 50%.


6.5. Parcela do valor total a ser investido em serviços

Fechando o ciclo de investimento em e-Learning (tecnologia, conteúdo, serviços), perguntamos qual montante foi reservado para serviços. Como resposta, 56% dos entrevistados querem investir até 25% de seu orçamento nesse contexto, seguidos de 24% que pretendem investir entre 26% e 50% e, ainda, 15% que nada investirão. A implementação de uma solução de e-Learning e gestão de treinamento parte de um alinhamento estratégico com os negócios da organização, que deve considerar três dimensões importantes: Sistemas, Processos e Pessoas. A consultoria desenvolve metodologias e ferramentas próprias que endereçam essas três dimensões de forma consistente e balanceada, assegurando o sucesso da implementação dentro do prazo e recursos planejados.


6.6. Porcentagem à qual corresponde o e-Learning do valor total destinado ao treinamento/educação

Com esta pesquisa, foi identificada qual a dimensão do projeto de e-Learning em relação aos investimentos totais com treinamento e educação para 2007. O resultado obtido mostra que 47% dos entrevistados aplicarão de 1% a 25% de seus recursos em e-Learning, outros 19% investirão entre 26% e 50%, enquanto 12% afirmaram que o e-Learning consumirá entre 75% e 100% do orçamento total.


6.7. Mês em que a organização pretende investir em e-Learning


7. Conclusão

O e-Learning vem crescendo anualmente no Brasil e no mundo. Prova disso é que a maioria das organizações que responderam à pesquisa afirma que vai começar a investir nessa ferramenta a partir deste ano.

Perguntamos qual seria o montante investido em e-Learning em 2008, e 46 % das organizações responderam que os investimentos serão abaixo de R$100 mil reais, 19% investirão entre R$ 500 mil e R$ 1 milhão, e 11% investirão mais de R$ 1 milhão.

Quando perguntamos qual percentual do orçamento seria dedicado para a aquisição de tecnologia e infra-estrutura, encontramos um destaque (36%) para as empresas que empregarão até 25% do valor total. Trinta e um por cento dos entrevistados planejam investir entre 26% e 51%. Nos anos anteriores, a parcela de investimento para infra-estrutura era maior, o que indica que as empresas estão cada vez mais preparadas tecnologicamente para o e-Learning.

Abordamos também o quanto será investido em conteúdo (cursos) para o e-Learning, e o resultado foi que 37% das empresas investirão nesse tópico em até 25% de seus orçamentos, enquanto outros 33% investirão de 26% a 50%.

Fechando o ciclo de investimento em e-Learning (tecnologia, conteúdo, serviços), perguntamos qual montante foi reservado para serviços. Como resposta, 56% dos entrevistados querem investir até 25% de seu orçamento nesse contexto, seguidos de 24% que pretendem investir entre 26% e 50%, e 15% que nada investirão. A implementação de uma solução de e-Learning e gestão de treinamento parte de um alinhamento estratégico com os negócios da organização, que deve considerar três dimensões importantes: Sistemas, Processos e Pessoas. A consultoria desenvolve metodologias e ferramentas próprias que endereçam essas três dimensões de forma consistente e balanceada, assegurando o sucesso da implementação dentro do prazo e recursos planejados.

Com essa pesquisa, foi identificada a dimensão do projeto de e-Learning em relação aos investimentos totais com treinamento e educação para 2007. O resultado obtido mostra que 47% dos entrevistados aplicarão de 1% a 25% de seus recursos em e-Learning, outros 19% investirão entre 26% e 50%, enquanto 12% afirmaram que o e-Learning consumirá entre 75% e 100% do orçamento total.

Investimento em e-Learning para o ano de 2008

1. Sumário Executivo

A utilização do e-Learning, freqüente nos modelos de aprendizagem de muitas organizações em países desenvolvidos, se consolida como realidade operacional em grandes e médias empresas do Brasil. No país, 47% das organizações já definiram um orçamento para o treinamento em formato e-Learning para 2008.

Essa foi a principal constatação desta pesquisa, que também identificou o quanto cada área do e-Learning será considerada ao se investir nesse formato de treinamento.

O Brasil, apesar do crescimento tecnológico e da mudança de mentalidade a respeito das novas tecnologias, ainda possui alguns fatores convergentes para um investimento maciço das organizações que aqui atuam.


2. Introdução

A pesquisa nasce como conseqüência do interesse do Portal e-Learning Brasil em antecipar a identificação dos dados de 2008 para informar a realidade da área para sua comunidade. Para que o levantamento dos dados fosse realizado, o Portal identificou:

  • As etapas de um projeto de e-Learning – tecnologia e infra-estrutura, conteúdo e serviços (consultoria, integração de sistemas e capacitação de equipe) – e quanto será investido em cada uma;
  • O valor a ser investido no treinamento da organização e qual porcentagem será direcionada para o e-Learning.


3. Objetivo

Em virtude dos desafios estratégicos das organizações brasileiras, o Portal e-Learning Brasil se propôs a realizar essa pesquisa com o objetivo de identificar o orçamento previsto para o e-Learning nas organizações em 2008.


4. Metodologia

A metodologia utilizada garantiu o enriquecimento dos resultados. O levantamento quantitativo foi realizado em dezembro de 2007, por meio do Portal e-Learning Brasil (www.elearningbrasil.com.br), e abordou oito tópicos:

  • Definição do orçamento para e-Learning;
  • Ano do início de investimento em e-Leaning;
  • Valor do investimento;
  • Parcela do valor total a ser investido em tecnologia e infra-estrutura;
  • Parcela do valor total a ser investido em conteúdo;
  • Parcela do valor total a ser investido em serviços (consultoria, integração de sistemas, capacitação de equipe, etc.);
  • Porcentagem à qual corresponde o e-Learning do valor total destinado ao treinamento/educação;
  • Mês em que a organização pretende investir em e-Learning.

5. Características da amostra

A amostra analisada possui uma distribuição variada de empresas pertencentes às cinco regiões brasileiras: Sudeste, Centro-Oeste, Norte, Nordeste e Sul. A tendência é ser mais numerosa no Sudeste e no Sul, pelo grande investimento tecnológico e por estes serem os maiores pólos de desenvolvimento do Brasil.

O conjunto de organizações que participaram do estudo representa o setor de atuação delas, com ênfase para as que atuam em: Educação (34%), Tecnologia (11%), e-Learning (10%) e Governo (7%).

A maioria das organizações (37%) possui um quadro de funcionários com menos de 100 integrantes, 19% possuem de 101 a 500 colaboradores e 18%, de 501 a 2.500. Confira o gráfico detalhado:

Outros tópicos analisados pela amostra:

a) O tipo de organização em que o pesquisado trabalha.

b) Seu papel na organização.


c) Em que departamento atua.


6. Resultados

Nos seguintes tópicos foram analisadas as diferentes variáveis compostas de um ou mais indicadores dos levantamentos realizados.


6.1. Ano do início de investimento em e-Learning

O e-Learning vem crescendo anualmente no Brasil e no mundo, porém a maioria das organizações que responderam à pesquisa afirma que começará a investir nessa ferramenta a partir de 2008. Veja abaixo:


6.2. Valor do investimento

Perguntamos qual seria o montante investido em e-Learning em 2008, e 46% das organizações responderam que os investimentos serão abaixo de R$ 100 mil reais, 19% investirão entre R$ 500 mil e R$ 1 milhão e 11% investirão mais de R$ 1 milhão.


6.3. Parcela do valor total a ser investido em tecnologia e infra-estrutura

Quando perguntamos qual percentual do orçamento seria dedicado para aquisição de tecnologia e infra-estrutura, encontramos um destaque (36%) para as empresas que empregarão até 25% do valor total. Trinta e um por cento dos entrevistados planejam investir entre 26% e 51%. Nos anos anteriores, a parcela de investimento para infra-estrutura era maior, o que indica que as empresas estão cada vez mais preparadas tecnologicamente para o e-Learning.


6.4. Parcela do valor total a ser investido em conteúdo

Abordamos também o quanto será investido em conteúdo (cursos) para o e-Learning, e o resultado foi que 37% das empresas investirão nesse tópico em até 25% de seus orçamentos, enquanto outros 33% investirão de 26% a 50%.


6.5. Parcela do valor total a ser investido em serviços

Fechando o ciclo de investimento em e-Learning (tecnologia, conteúdo, serviços), perguntamos qual montante foi reservado para serviços. Como resposta, 56% dos entrevistados querem investir até 25% de seu orçamento nesse contexto, seguidos de 24% que pretendem investir entre 26% e 50% e, ainda, 15% que nada investirão. A implementação de uma solução de e-Learning e gestão de treinamento parte de um alinhamento estratégico com os negócios da organização, que deve considerar três dimensões importantes: Sistemas, Processos e Pessoas. A consultoria desenvolve metodologias e ferramentas próprias que endereçam essas três dimensões de forma consistente e balanceada, assegurando o sucesso da implementação dentro do prazo e recursos planejados.


6.6. Porcentagem à qual corresponde o e-Learning do valor total destinado ao treinamento/educação

Com esta pesquisa, foi identificada qual a dimensão do projeto de e-Learning em relação aos investimentos totais com treinamento e educação para 2007. O resultado obtido mostra que 47% dos entrevistados aplicarão de 1% a 25% de seus recursos em e-Learning, outros 19% investirão entre 26% e 50%, enquanto 12% afirmaram que o e-Learning consumirá entre 75% e 100% do orçamento total.


6.7. Mês em que a organização pretende investir em e-Learning


7. Conclusão

O e-Learning vem crescendo anualmente no Brasil e no mundo. Prova disso é que a maioria das organizações que responderam à pesquisa afirma que vai começar a investir nessa ferramenta a partir deste ano.

Perguntamos qual seria o montante investido em e-Learning em 2008, e 46 % das organizações responderam que os investimentos serão abaixo de R$100 mil reais, 19% investirão entre R$ 500 mil e R$ 1 milhão, e 11% investirão mais de R$ 1 milhão.

Quando perguntamos qual percentual do orçamento seria dedicado para a aquisição de tecnologia e infra-estrutura, encontramos um destaque (36%) para as empresas que empregarão até 25% do valor total. Trinta e um por cento dos entrevistados planejam investir entre 26% e 51%. Nos anos anteriores, a parcela de investimento para infra-estrutura era maior, o que indica que as empresas estão cada vez mais preparadas tecnologicamente para o e-Learning.

Abordamos também o quanto será investido em conteúdo (cursos) para o e-Learning, e o resultado foi que 37% das empresas investirão nesse tópico em até 25% de seus orçamentos, enquanto outros 33% investirão de 26% a 50%.

Fechando o ciclo de investimento em e-Learning (tecnologia, conteúdo, serviços), perguntamos qual montante foi reservado para serviços. Como resposta, 56% dos entrevistados querem investir até 25% de seu orçamento nesse contexto, seguidos de 24% que pretendem investir entre 26% e 50%, e 15% que nada investirão. A implementação de uma solução de e-Learning e gestão de treinamento parte de um alinhamento estratégico com os negócios da organização, que deve considerar três dimensões importantes: Sistemas, Processos e Pessoas. A consultoria desenvolve metodologias e ferramentas próprias que endereçam essas três dimensões de forma consistente e balanceada, assegurando o sucesso da implementação dentro do prazo e recursos planejados.

Com essa pesquisa, foi identificada a dimensão do projeto de e-Learning em relação aos investimentos totais com treinamento e educação para 2007. O resultado obtido mostra que 47% dos entrevistados aplicarão de 1% a 25% de seus recursos em e-Learning, outros 19% investirão entre 26% e 50%, enquanto 12% afirmaram que o e-Learning consumirá entre 75% e 100% do orçamento total.

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Twitter
Os comentários estão fechados